Artigos e Publicações

"Promoção da saúde e da qualidade de vida com idosos por meio de práticas corporais", Rosé Toldrá

Health and quality of life promotion for old people using bodily
practices
Rosé Colom Toldrá*
Renata Guimarães Cordone**
Bruna de Almeida Arruda***
Ana Cristina Fagundes Souto****
Resumo
O crescimento da população idosa está relacionado às melhores condições materiais de sobrevivência, aos avanços das
práticas de saúde e ao maior acesso à informação. As práticas corporais são reconhecidas como importante estratégia
de promoção da saúde e prevenção de doenças na população idosa. O presente estudo visou a analisar dois grupos de
práticas corporais orientados pelo método Self-healing, de Meir Schneider, desenvolvidos com pessoas em processo de
envelhecimento e idosos. Os grupos ocorreram no período de março a setembro de 2012, com duração de doze encontros,
em um serviço universitário. Utilizou-se de questionário semiestruturado e da aplicação do SF-36. Participaram do
grupo vinte e cinco pessoas, com o predomínio de mulheres (88%). As idades variaram entre 57 e 76 anos, média de 65,8
anos e escolaridade média de 3,6 anos. A maioria dos participantes realizava em casa as orientações aprendidas no grupo,
com benefícios tanto físico, mental como emocional. No SF-36 houve melhora com significância estatística nos escores
dos domínios / aspectos físicos, dor e emocionais. Os efeitos na relação mente-corpo foram identificados pelos resultados
positivos em todos os domínios do SF-36, e no questionário semiestruturado. Os resultados sugerem que o método é eficaz
e traz benefícios para a capacidade funcional e qualidade de vida dessas pessoas.
Palavras-chave: Idoso. Corpo Humano. Terapias Mente-Corpo. Qualidade de Vida. Terapia Ocupacional.
Abstract
The increasing of the elderly population is related to better material conditions for survival and progress of health practices.
Bodily practices are recognized as an important strategy for health promotion and disease prevention for this population.
This study aims to analyze the benefits of participating in groups of bodily practices under the perspective of Meir Schneider’s
Self-healing technique, developed with adults and the elderly. Groups took part from March to September 2012 in
twelve meetings, coordinated by the INTEGRA Laboratory of the Occupational Therapy School at the University of São
Paulo. A semi-structured questionnaire and the SF-36 were used. There were 25 participants; most of them women (88%),
with an average age of 65.8 years (ranging from 57 to 76) and an average of 3.6 years of education. Most participants
performed the guidelines taught in the group at home, with referred physical, mental and emotional benefits. There were
statistically significant improvements in SF36’s physical, emotional and bodily pain domains. The effects on the mind-body
relationship were identified by positive results in all domains of the SF-36 and the semi-structured questionnaire. Results
indicate that the method used is effective and beneficial for functional capacity and quality of life of this population.
Keywords: Aged. Human Body. Mind-Body Therapies. Quality of Life. Occupational Therapy.
DOI: 10.15343/0104-7809.20143802159168
# Pesquisa financiada pelo CNPq; n. do processo: 557887/2009-7.
* Universidade de São Paulo, São Paulo-SP, Brasil. E-mail: rosetoldra@usp.br
** Universidade de São Paulo, São Paulo-SP, Brasil. Bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq
em 2012.
*** Universidade de São Paulo, São Paulo-SP, Brasil. Bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq
em 2013 e do Programa Ensinar com Pesquisa da USP em 2012.
**** Universidade de São Paulo, São Paulo-SP, Brasil.
As autoras declaram não haver conflitos de interesse.
160
O Mundo da Saúde, São Paulo – 2014;38(2):159-168
Promoção da saúde e da qualidade de vida com idosos por meio de práticas corporais
Introdução
O Brasil destaca-se pelo alto índice de crescimento
da população acima de 60 anos, sendo os
idosos o segmento que mais cresce1. As projeções
para 2050 indicam 19% da população brasileira
nesse grupo etário, devido ao principal fenômeno
demográfico do século XX, conhecido como envelhecimento
populacional, que ocorre em diferentes
momentos ao redor do mundo2.
Essa transição demográfica também acarreta
uma transição epidemiológica, com a predominância
das doenças crônicas não transmissíveis e
a ampliação da população de idosos3. Esse crescimento
da população idosa está relacionado às
melhores condições materiais de sobrevivência,
aos avanços das práticas de saúde, dos métodos de
diagnóstico e tratamento e ao acesso à informação
e meios de comunicação.
O envelhecimento, na maioria das vezes,
está associado a conviver com uma ou mais doenças
crônicas e disfunções adquiridas nos últimos
anos de vida, que levam ao declínio da capacidade
funcional e da autonomia, devido às perdas
significativas das capacidades físicas e a presença
de distúrbios patológicos2.
Entretanto, estudos epidemiológicos têm
mostrado que doenças e limitações podem ser
evitáveis no processo de envelhecimento e que o
uso de serviços preventivos, eliminação de fatores
de risco e adoção de hábitos de vida saudáveis
são importantes determinantes do envelhecimento
saudável e com maior qualidade1.
A Política Nacional da Saúde da Pessoa Idosa
(PNSI) tem como objetivos “assegurar os direitos
sociais do idoso, criando condições para promover
sua autonomia, integração e participação
efetiva na sociedade”4. Na área da saúde, coloca
como de sua competência a prevenção, promoção,
proteção e recuperação da saúde do idoso,
por meio de medidas e programas preventivos e
de reabilitação. Na área da justiça é previsto o incentivo
e criação de programas de lazer, esporte e
atividades físicas que proporcionem a melhoria da
qualidade de vida do idoso e estimulem sua participação
na comunidade4.
A noção de qualidade de vida está relacionada
com diversos fatores que abrangem as condições
e estilo de vida, bem como se relaciona
ao campo dos direitos humanos e sociais. Assim,
para a melhoria na qualidade de vida nessa fase da
vida, é essencial que os direitos sejam garantidos.
Um dos direitos previstos pela PNSI é a possibilidade
do idoso realizar práticas corporais na rede
básica de saúde e na comunidade4.
O conceito “qualidade de vida” tem sido
alvo de pesquisa por muitos autores, bem como o
uso de instrumentos padronizados para mensurá-
-lo. Tal conceito tem caráter subjetivo, ou seja, depende
da percepção de cada pessoa sobre o seu
estado e envolve diversas dimensões da vida5.
Além disso, o conceito de qualidade de vida
está relacionado
à autoestima e ao bem-estar pessoal e abrange
uma série de aspectos como a capacidade
funcional, o nível socioeconômico, o estado
emocional, a interação social, a atividade intelectual,
o autocuidado, o suporte familiar, o
próprio estado de saúde, os valores culturais,
éticos e a religiosidade, o estilo de vida, a satisfação
com o emprego e/ou com atividades
diárias e o ambiente em que se vive (p. 247)6.
No âmbito da velhice a qualidade de vida
está relacionada à manutenção da autonomia, a
qual pode ser percebida no desempenho das atividades
diárias, nos idosos que mantêm sua capacidade
funcional7.
A qualidade de vida supõe “um elemento
básico e interligado com todos os outros, que é a
capacidade para realizar movimentos corporais de
forma eficiente” (p. 17)8. Assim, para o autor, se a
capacidade motora estiver limitada a qualidade de
vida pode sofrer baixa considerável8. Isso justifica
a importância de propostas de intervenção que
estimulem o uso ativo do corpo, pois é consenso
entre os profissionais de saúde que a manutenção
de um estilo de vida ativo é um fator determinante
para o sucesso do processo de envelhecimento9.
Desse modo, avaliar as condições de vida do
idoso é importante para o desenvolvimento de alternativas
válidas de intervenção em programas de
saúde, políticos e sociais7. Também é necessário o
desenvolvimento de pesquisas e práticas de saúde
que se preocupem com a qualidade de vida durante
o processo envelhecimento9.
Uma forma possível de promover a saúde
e a qualidade de vida é a utilização das práticas
161
O Mundo da Saúde, São Paulo – 2014;38(2):159-168
Promoção da saúde e da qualidade de vida com idosos por meio de práticas corporais
corporais em grupo. A modalidade grupal
estimula o indivíduo participante a tornar-se o
agente da própria mudança, além de propiciar
um aprendizado interpessoal a partir do contato
com o outro10.
Os grupos, para o Sistema Único de Saúde,
são identificados como uma prática que contribui
para a superação do modelo biomédico e uma
alternativa prevista pelas políticas públicas para a
promoção de saúde11. Por meio da ação grupal é
possível o reconhecimento das necessidades subjetivas
e coletivas do indivíduo, o que permite a
construção do cuidado em saúde.
Com vistas à construção de práticas corporais
voltadas à saúde de pessoas em processo de
envelhecimento e idosas, utilizou-se, no presente
estudo, de estratégia grupal, para fomentar a
participação dessas pessoas, e da abordagem do
método Self-healing, para sensibilizar quanto ao
cuidado com o próprio corpo.
Considerações sobre o método Self-
-healing
O método Self-healing foi desenvolvido nos
anos 70 por Meir Schneider como um conjunto
integrado de técnicas corporais, para serem aplicadas
na prevenção e reabilitação de uma gama
variada de doenças orgânicas, físicas e visuais. A
aplicação dessas técnicas estimula e equilibra as
funções orgânicas, físicas, psíquicas de modo harmônico,
na medida em que possibilita o desenvolvimento
de um diálogo entre o corpo, a mente, as
emoções e as sensações12.
É descrito como um método do movimento,
tendo em vista que o movimento é considerando
algo inerente ao ser humano e fundamental à vida.
O movimento envolve a relação corpo-mente, o
que propicia o autoconhecimento. Movimentar-se
sem sobrecarregar as estruturas do corpo é necessário
para a manutenção da capacidade funcional
do indivíduo13. Assim, o método utiliza-se de movimentos
leves, sutis, realizados sem esforço, para
promover o relaxamento da musculatura12.
O movimento realizado de forma consciente
requer a atenção direcionada para a região do corpo,
articulação ou órgão interno em questão, o que
favorece a utilização de todo o grupo muscular de
forma mais equilibrada e o despertar da consciência
corporal. Com isso, estimula-se a circulação
sanguínea, o alívio de tensões, a percepção do
movimento, a diminuição ou até eliminação de
padrões que favorecem o aparecimento de sintomas
de doenças e agravos à saúde13.
A respiração profunda e lenta permite a identificação
das necessidades e limites do próprio
corpo, considerada pelo método como a chave
para a autopercepção. A utilização da respiração
consciente associada aos movimentos corporais
promove a percepção cinestésica, o que facilita
a consciência do movimento14. A automassagem
permite a melhora da transmissão neurológica, aumento
da mobilidade articular, bem como o relaxamento
e preparação para o movimento. A visualização
consiste na imaginação do movimento, da
respiração ou do alongamento de partes do corpo
antes e durante a ação propriamente dita12, considerada
um ato mental, pois estimula os mesmos
circuitos cerebrais usados para o ato físico15, o que
amplifica o efeito das demais técnicas.
Com base nos aspectos acima citados, o presente
trabalho se propôs a analisar dois grupos de
práticas corporais desenvolvidos com pessoas em
processo de envelhecimento e idosas, com o uso
do método Self-healing, de Meir Schneider (1998),
em que se combinaram diferentes técnicas com o
objetivo de promover a saúde e a qualidade de
vida dessa população.
Método
Trata-se de estudo quantitativo descritivo que
faz parte de uma pesquisa mais ampla denominada
“Envelhecer Mantendo Funções: Idosos do
ano de 2020”, financiada pelo CNPq, a qual teve
como um dos objetivos elaborar propostas de intervenções
visando a desenvolver tecnologias para
a promoção do envelhecimento saudável. A pesquisa
foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa
do Hospital Universitário da Universidade
de São Paulo sob o n. 1005/10 e colhido o termo
de consentimento livre e esclarecido dos participantes
após o aceite.
A seleção dos participantes ocorreu a partir
das análises das respostas obtidas, na primeira
fase da pesquisa, com base nos dados da aplicação
do instrumento Classificação de Idosos quanto à
Capacidade de Autocuidado – CICAC16, o qual
estima a prevalência de dificuldades referidas
162
O Mundo da Saúde, São Paulo – 2014;38(2):159-168
Promoção da saúde e da qualidade de vida com idosos por meio de práticas corporais
para atividades cotidianas. Foram contatadas 146
pessoas em processo de envelhecimento e idosas
que referiram alguma dificuldade nas atividades
cotidianas, para participação do grupo de “Práticas
Corporais para a Promoção da Saúde”. Foram
incluídas no grupo aquelas que referiram alguma
dificuldade física e/ou cognitiva para realização de
pelo menos uma atividade cotidiana e excluídas as
que não referiram dificuldade física e/ou cognitiva
nas atividades e as que não se dispuseram a participar
do grupo. No total, 47 pessoas ingressaram e
constituíram-se dois grupos, com participação de
homens e mulheres. Os grupos tiveram duração de
doze encontros e de uma hora e meia cada, sendo
utilizadas as mesmas estratégias em ambos os grupos.
O primeiro e o último encontro foram destinados
principalmente para a aplicação e reaplicação
dos instrumentos de coleta de dados. Nos
dez encontros intermediários, adotaram-se práticas
corporais baseadas no método Self-healing
intercaladas com trocas entre os participantes. Os
momentos iniciais do grupo eram dedicados ao
relato das práticas realizadas em casa, discussões
sobre organização da rotina e esclarecimentos
de dúvidas. Os momentos finais eram destinados
à percepção dos efeitos da prática corporal e o
compartilhamento da experiência com os demais
participantes. As intervenções foram conduzidas
por uma terapeuta ocupacional e duas estudantes
de graduação e ocorreram no ambulatório de uma
universidade pública na cidade de São Paulo, no
período de março a setembro de 2012.
Os instrumentos de coleta utilizados foram
o questionário SF-36 (Medical Outcomes Study
36 – Item Short-Form Health Survey) traduzido e
validado para o Brasil17 e um questionário semiestruturado
inicial e final, os quais foram aplicados
na forma de entrevista. O SF-36 é um instrumento
multidimensional, composto de oito domínios
(capacidade funcional, aspectos físicos, dor, estado
geral de saúde, vitalidade, aspectos sociais, aspectos
emocionais e saúde mental), utilizado para
avaliar a qualidade de vida relacionada à saúde. O
questionário inicial estava relacionado à prática e
dificuldades nas atividades físicas e cotidianas que
exigiam maior capacidade física e o final abordava
a frequência e dificuldades na aplicação das
orientações, identificação de mudanças corporais
e na realização das atividades cotidianas.
Para a análise estatística, efetuou-se a análise
descritiva das características sociodemográficas
dos participantes e das respostas obtidas nos
questionários semiestruturados aplicados antes e
após o grupo. Para as variáveis idade e escolaridade,
foram feitas estimativas das medidas de
tendência central e de dispersão. Para comparar
os escores dos oito domínios do instrumento SF-
36, empregou-se o teste não paramétrico Wilcoxon
para dados pareados e adotou-se para o estudo
nível de significância de 5%.
Resultados
Ingressaram nos grupos 47 pessoas, sendo
que 22 foram excluídas da análise por apresentarem
frequência insuficiente ou por não terem
realizado a avaliação final, totalizando 25 pessoas
nos dois grupos, sendo um constituído de 10
mulheres e 1 homem e o outro, de 12 mulheres
e 2 homens.
Em relação à caracterização sociodemográfica
o predomínio de mulheres foi de 88%. As
idades variaram entre 57 e 76 anos, com média
de 65,8%. Em relação à escolaridade 56% possuía
4 anos ou mais de escolaridade com média
de 3,6 anos (Tabela 1).
Tabela 1. Caracterização sociodemográfica dos
participantes dos grupos
VARIÁVEIS n %
Sexo
Feminino 22 88
Masculino 3 12
Idade (anos)
< 70 19 76
≥ 70 6 24
média (dp) 65,8 (5,1)
mediana (mín – máx) 66 (57 – 76)
Escolaridade (anos)
< 4 11 44
≥ 4 14 56
média (dp) 3,6 (1,2)
mediana (mín – máx) 4 (2 – 5)
Os participantes dos grupos estavam ativos
na comunidade, pois referiram frequentar clubes,
casas de parentes, desempenhar atividades instrumentais
da vida diária, como ir ao mercado e
casas lotéricas e praticar alguma atividade física.
163
O Mundo da Saúde, São Paulo – 2014;38(2):159-168
Promoção da saúde e da qualidade de vida com idosos por meio de práticas corporais
Dos 25 participantes 21 realizavam atividades
físicas como: caminhada, natação, ginástica, alongamento,
dança, fisioterapia, atletismo, musculação,
Tai Chi Chuan, entre outros, e atividades no domicílio
como: limpar a piscina e carpir, que envolviam
maior força física e variedade de movimentos. Desses,
19 referiram um ou mais benefícios físico, mental
e/ou emocional pelas atividades que realizavam.
Mais da metade 14 participantes (66,7%) sentiam algum
desconforto para realizar atividades físicas e 11
(44%) sentiam dor, decorrente de quadros articulares
como: artrose, artrite e cirurgias.
Na avaliação final referente à aplicação das
orientações aprendidas nos grupos os resultados
apontaram que a maioria dos participantes as
praticava em casa. Quanto aos movimentos na
posição deitada eram praticados por 20 pessoas
(80%), os movimentos na posição sentada por 19
(76%), os movimentos na posição em pé por 17
(68%) e 19 (76%) praticavam técnicas de respiração
e automassagem. A frequência da aplicação
das orientações pela maioria dos participantes
ocorria de uma vez por dia a mais de uma vez por
dia (Tabela 2).
Tabela 2. Distribuição dos participantes dos grupos
segundo aplicação das orientações recebidas
Realização de sequência n %
movimento deitado
mais de uma vez por dia 8 32
uma vez por dia 12 48
às vezes 4 16
Nunca 1 4
movimento sentado
mais de uma vez por dia 9 36
uma vez por dia 10 40
às vezes 3 12
Nunca 3 12
movimento em pé
mais de uma vez por dia 6 24
uma vez por dia 11 44
às vezes 7 28
Nunca 1 4
respiração e massagem
mais de uma vez por dia 11 44
uma vez por dia 8 32
às vezes 3 12
Nunca 3 12
No que se refere às mudanças observadas
com o aprendizado obtido no grupo, todos
(100%) assinalaram melhora na realização dos
movimentos, 19 (76%) alívio dos sintomas de dor
e desconforto, 22 (88%) maior disposição física,
23 (92%) maior disposição mental, 17 (68%)
melhora do estado emocional, 19 (76%) melhor
compreensão sobre as necessidades da fase do
envelhecimento e 19 (76%) melhor condição de
cuidado com o próprio corpo (Tabela 3).
Tabela 3. Distribuição dos participantes segundo
mudanças com o aprendizado obtido no grupo
Mudanças com o aprendizado n %
Realização dos movimentos
Melhor 25 100
Igual 0 0
Pior 0 0
Alívio dos sintomas dor / desconforto
Melhor 19 76
Igual 5 20
Pior 1 4
Disposição física
Melhor 22 88
Igual 3 12
Pior 0 0
Disposição mental
Melhor 23 92
Igual 2 8
Pior 0 0
Estado emocional
Melhor 17 68
Igual 6 24
Pior 2 8
Compreensão das necessidades da
fase do envelhecimento
Melhor 19 76
Igual 6 24
Pior 0 0
Cuidado com o próprio corpo
Melhor 19 76
Igual 5 20
Pior 1 4
Como motivos que dificultavam uma maior
dedicação à prática das orientações aprendidas
164
O Mundo da Saúde, São Paulo – 2014;38(2):159-168
Promoção da saúde e da qualidade de vida com idosos por meio de práticas corporais
no grupo foram mencionados falta de tempo (11),
hábito (11) e vontade (5).
As mudanças na realização das atividades
cotidianas foram percebidas por 16 participantes
(64%) devido à diminuição da dor (2), maior
disposição no desenvolvimento das atividades
(5), mudanças na percepção e no uso das capacidades
corporais durante as atividades e necessidades
de ajustes posturais (5) e pelo menos
dois desses motivos (4). Já 9 participantes (36%)
não identificaram repercussão na realização das
atividades.
Comparando as respostas do SF-36, nos
dois momentos de avaliação, obteve-se que após
o grupo houve melhora com significância estatística
no escore dos seguintes domínios: aspectos
físicos (p = 0,042), dor (p < 0,001) e aspectos
emocionais (p = 0,048), conforme demonstra a
Tabela 4.
Tabela 4. Estatística descritiva dos escores dos domínios do SF-36 dos participantes, antes e após o grupo
Domínios
Avaliação Inicial Avaliação Final
Valor de p
Média Desvio padrão Média Desvio padrão
Capacidade funcional 83,4 13,6 83,6 12,5 0,946
Aspectos físicos 72,0 40,4 91,0 23,8 0,042
Dor 52,2 23,0 70,8 19,2 < 0,001
Estado geral da saúde 75,4 14,2 77,8 17,1 0,256
Vitalidade 69,8 16,2 70,6 18,1 0,957
Aspectos sociais 71,0 25,7 81,5 23,1 0,108
Aspectos emocionais 62,7 43,4 80,0 36,0 0,048
Saúde mental 73,6 19,5 76,0 17,8 0,860
Discussão
Os grupos foram constituídos majoritariamente
por mulheres (88%). Isso pode ser explicado
pelo fato de que mulheres idosas, em
comparação com homens idosos, têm maior
prevalência de incapacidade funcional, devido
às diferenças no estilo de vida e nas morbidades
associadas18. Além disso, se verifica um maior
padrão de consumo de cuidados de saúde pelas
mulheres. A feminilização da população idosa
gera transformações sociais e no perfil da saúde,
sendo necessárias ações que respondam as suas
necessidades, no sentido de contribuir com sua
qualidade de vida e de sua atividade social18. Ao
mesmo tempo, verifica-se por parte dos homens
uma menor procura de serviços de saúde e desvalorização
por ações de autocuidado19.
Os participantes dos grupos, apesar de apresentarem
alguma dificuldade física e/ou cognitiva,
estavam ativos na comunidade. Um estudo
revelou que a manutenção da capacidade funcional
está relacionada com a capacidade de
ocupar-se com o trabalho e/ou com atividades
agradáveis até idades mais avançadas20. Isso traduz
a ideia de uma vida ativa, o que contribui
para a manutenção da funcionalidade.
Os grupos constituem-se em uma possibilidade
de estimular uma vida associativa mais saudável19
e servem como um veículo para a educação
em saúde, já que propiciam um espaço
para a socialização do indivíduo, para o cuidado
e o compartilhamento de necessidades de mudanças,
o que favorece a compreensão sobre as
diversas formas de lidar com o processo de envelhecimento10.
Nessa experiência as práticas corporais
em grupo foram utilizadas para promoção da
saúde e melhora da qualidade de vida. Pode-se
identificar um nível significativo de aprendizado
e incorporação das práticas na vida cotidiana
dos participantes, sendo o grupo utilizado
como estratégia pedagógica no sentido da possibilidade
de troca, favorecida pela dinâmica
grupal adotada, o que amplificou as possibilidades
de orientação e aprendizado entre os
próprios participantes.
165
O Mundo da Saúde, São Paulo – 2014;38(2):159-168
Promoção da saúde e da qualidade de vida com idosos por meio de práticas corporais
Para apoiar e facilitar o aprendizado e a prática
das diferentes técnicas do método, os participantes
receberam, no 2º e no 5º encontros, um
roteiro com as vivências e orientações aprendidas,
para estimular sua realização no domicílio,
a participação no grupo e a continuidade após o
término do grupo.
Dessa forma os participantes em grupo foram
estimulados a realizar as práticas corporais
em casa e em outros ambientes, o que pode promover
mudanças positivas no estilo de vida10,
bem como a multiplicação da experiência entre
familiares e amigos. Assim, partilhar e dividir experiências
e pontos de vista em grupo com pessoas
na mesma fase da vida promoveu a motivação
para vencer os desafios e favorecer o aprendizado
das práticas corporais.
O reconhecimento das necessidades do
processo de envelhecimento, conforme Tabela
3, torna-se essencial para o desenvolvimento de
ações de promoção da saúde, principalmente
nesse caso em que se privilegia o corpo como
foco de intervenção. Assim, durante os encontros
grupais, o ensino e a prática de técnicas corporais
baseadas no método Self-healing (movimento,
respiração, automassagem) possibilitaram o
desenvolvimento da consciência corporal e do
autoconhecimento pela identificação do alívio
de sintomas e maior disposição física e mental,
devido à adoção de cuidados com o próprio corpo
nas atividades do cotidiano.
Na experiência grupal partiu-se do princípio
que “a pessoa, quando em acompanhamento,
aprende a usar e aplicar os recursos
aprendidos em seu cotidiano, desenvolvendo
a consciência e uma nova reorganização corporal
e, consequentemente, provocando modificações
em como ela vê, sente e vive o corpo”
(p. 100)13. Nessa perspectiva de promoção
da saúde, estimulou-se tornar a pessoa capaz
e autônoma para a prática de autocuidado e a
melhoria de sua qualidade de vida e saúde, ou
seja, servir como um recurso para a vida, como
assinalam as políticas de saúde21.
Estudos revelam que a prática regular de atividades
físicas pode promover não apenas melhoras
fisiológicas, mas também influenciar as
dimensões psicológicas e sociais da população
idosa e em fase de envelhecimento22.
Como resultado dessa proposta obteve-se,
na avaliação final, que a maioria dos participantes
incorporou na sua rotina diária as práticas
aprendidas no grupo (Tabela 2). Aspecto considerado
importante para o método, pois, para o
reaprendizado do movimento corporal são necessárias
várias repetições diárias, de forma que
a prática corporal torne-se um componente da
rotina do sujeito. Apesar, do reconhecimento por
parte de alguns participantes de dificuldades ou
desafios enfrentados para o estabelecimento de
uma rotina de prática de autocuidado, a grande
maioria adotou uma frequência de uma a mais
vezes por dia.
Os efeitos na relação mente-corpo puderam
ser identificados pelos resultados positivos obtidos
nas respostas do questionário final (Tabela
3). Todos os participantes referiram melhora na
realização dos movimentos (25), uma melhor disposição
física (22), alívio dos sintomas de dor e
desconforto no corpo (19) e melhora do estado
emocional (17), em decorrência das práticas corporais
desenvolvidas no grupo.
Tais resultados apontam que as técnicas corporais
do método Self-healing são apropriadas às
pessoas idosas ou em fase de envelhecimento,
tanto para a promoção, como para a recuperação
da saúde, conforme aponta a PNSI4, na medida
em que a grande maioria estava acometida por
alguma dificuldade física e/ou cognitiva nas atividades
do cotidiano e apresentaram mudanças
significativas com o aprendizado ocorrido no
grupo.
A aplicação do SF-36 confirmou tais dados.
Após a intervenção houve melhora com significância
estatística no escore dos domínios: aspectos
físicos, dor e aspectos emocionais, os quais
estão diretamente relacionados à qualidade de
vida dessa população. A melhora com significância
estatística nesses domínios do SF-36 sugere
que o método é eficaz e traz benefícios para a
funcionalidade. Embora grande parte dos participantes
era ativo na comunidade e já realizasse
atividades físicas variadas.
Considera-se que a dor tem uma importante
influência na qualidade de vida dos idosos.
Quanto mais intensa a dor pior a qualidade de
vida23. A incapacidade funcional pode ser decorrente
de processos dolorosos, que prejudicam a
166
O Mundo da Saúde, São Paulo – 2014;38(2):159-168
Promoção da saúde e da qualidade de vida com idosos por meio de práticas corporais
autonomia e a independência da pessoa idosa
para as atividades diárias, diminuindo sua capacidade
funcional e, consequentemente, prejudicando
sua qualidade de vida24.
Em relação aos aspectos físicos e emocionais,
que obtiveram significância estatística no
instrumento de avaliação SF-36, outros estudos
encontraram resultados semelhantes. Um estudo
que analisou a qualidade de vida de 103 idosos
depois de quinze sessões de prática de dança sênior
obteve aumento significativo dos escores de
todos os domínios do SF-36 após reaplicação ao
final da intervenção, com mais impacto nos aspectos
emocionais e físicos25.
Num estudo que investigou o nível de atividade
física com a qualidade de vida, a partir de
dois instrumentos o International Physical Activity
Questionnaire (IPAQ) e o SF-36 teve como resultado
que as idosas que possuíam melhor nível de
atividade física registraram maiores escores nos
oito domínios do SF-36 do que as que tinham
pior nível de atividade física. Os domínios que
apresentaram maiores escores foram: vitalidade,
aspectos físicos, aspectos emocionais e aspectos
sociais8.
Também em nosso estudo observou-se
maiores escores nos oito domínios, com aumento
discreto no domínio vitalidade, capacidade
funcional, estado geral de saúde e saúde mental;
aumento mais expressivo nos aspectos sociais e
aumento com significância estatística nos aspectos
físicos, dor e aspectos emocionais.
Outro estudo que analisou a qualidade de
vida de idosos participantes e não participantes
de programas de atividade física, as pessoas ativas
apresentaram maior percepção de qualidade
de vida do que o grupo controle. Os maiores escores
no grupo de idosos ativos foram nos aspectos
sociais e emocionais9.
Neste estudo, os dados do SF-36 e as
mudanças detectadas na avaliação final do
questionário mostraram os efeitos favoráveis das
práticas corporais em diferentes aspectos físicos
e emocionais relacionadas à qualidade de vida
dessa população. Bem como assinalaram outras
dimensões da qualidade de vida como melhor
compreensão das necessidades da fase de
envelhecimento e melhor cuidado com o próprio
corpo. Tais resultados reforçam que a proposta
grupal de promoção da saúde corporal pelo
aprendizado do método Self-healing resultou em
benefícios para a saúde e qualidade de vida dos
participantes.
Os resultados se estenderam desde a melhora
na qualidade dos movimentos até a possibilidade
de tornar o sujeito mais preparado para o
autocuidado e “sensível às ações, ao ambiente,
perceber seu corpo, como ele se encontra, suas
tensões e cansaços, e aprender como reage ao
ambiente e aos acontecimentos da vida, podendo
também manejá-los” (p. 179)26.
As práticas corporais em grupo mostraram-
-se capazes de estimular o indivíduo participante
a tornar-se o agente da própria mudança10, o que
dialoga com os princípios de autocura do método
Self-healing, na medida em que o corpo é considerado
uma ferramenta para se manter, sentir
bem, sentir prazer e criar novas possibilidades
relativas aos cuidados com a saúde.
Conclusão
No contexto atual de envelhecimento populacional,
e a crescente necessidade de melhorar
a qualidade nessa fase da vida, a utilização das
práticas corporais de forma grupal, mostra-se
como uma alternativa eficiente, como também
apontado neste estudo.
A utilização do método Self-healing em grupo
demostrou ser benéfica na medida em que os
resultados apontaram que os participantes aplicaram
o aprendizado no dia a dia. Isso possibilitou
a autopercepção das tensões físicas e emocionais,
melhora na capacidade de mobilidade,
diminuição de dor e desconforto, relaxamento,
maiores condições de cuidado de si e melhor
compreensão dessa fase da vida.
O aprendizado corporal em grupo estimulou
maior motivação para a continuidade das
práticas no dia a dia, potencializou o aprendizado,
propiciou aos participantes a identificarem-se
uns com os outros e promoveu a construção do
autocuidado.
Identifica-se como limite do estudo o
reduzido número de participantes. No entanto,
se ressalta a importância de futuros estudos com
foco nas práticas corporais desenvolvidas de
forma grupal como alternativa para a promoção
167
O Mundo da Saúde, São Paulo – 2014;38(2):159-168
Promoção da saúde e da qualidade de vida com idosos por meio de práticas corporais
de saúde, em conformidade com as políticas de
saúde. O terapeuta ocupacional mostra-se como
um dos profissionais da área da saúde capacitados
para o desenvolvimento de estratégias corporais
para promoção da saúde e qualidade de vida
dessa população.
Referências
1. Lima-Costa MF, Barreto SM. Tipos de estudos epidemiológicos: conceitos básicos e aplicações na área do envelhecimento.
Epidemiol Serv Saúde. 2003 [acesso 3 Jun 2013];12(4):189-201. Disponível em: http://scielo.iec.pa.gov.br/pdf/ess/
v12n4/v12n4a03.pdf. DOI: http://dx.doi.org/10.5123/s1679-49742003000400003.
2. Nasri F. O envelhecimento populacional no Brasil. Einstein. 2008;6(Supl 1):4-6.
3. Malta DC, Merhy EE. O percurso da linha do cuidado sob a perspectiva das doenças crônicas não transmissíveis. Interface.
2010 [acesso 8 Jun 2013];14(34):593-606. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid
=S1414-32832010000300010. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s1414-32832010005000010.
4. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 2.528, de 19 de Outubro de 2006 [acesso 10 Mar 2013]. Política Nacional da
Pessoa Idosa. Disponível em: http://dtr2001.saude.gov.br/sas/PORTARIAS/Port2006/GM/GM-2528.htm.
5. Seidl EMF, Zannon CMLC. Qualidade de vida e saúde: aspectos conceituais e metodológicos. Cad Saúde Pública.
2004 [acesso 15 Jun 2013];20(2):580-8. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-
-311X2004000200027. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0102-311×2004000200027.
6. Vecchia RD, Ruiz T, Bocchi SCM, Corrente JE. Qualidade de vida na terceira idade: um conceito subjetivo. Rev
Bras Epidemiol. 2005 [acesso 15 Jun 2013];8(3):246-52. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1415-
-790X2005000300006&script=sci_arttext. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s1415-790×2005000300006.
7. Galisteu KJ, Facundim SD, Ribeiro RCHM, Soler ZASG. Qualidade de vida de idosos de um grupo de convivência com
a mensuração da escala de Flanagan. Rev Arq Ciênc Saúde. 2006;13(4):209-14.
8. Toscano JJO, Oliveira ACC. Qualidade de vida em idosos com distintos níveis de atividade física. Rev Bras Med
Esp. 2009 [acesso 18 Jan 2013];15(3):169-73. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid
=S1517-86922009000300001. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922009000300001.
9. Januário RSB, Serassuelo Jr H, Liutti MC, Decker D, Molari M. Qualidade de vida em idosos ativos e sedentários. Conscientiae
Saúde. 2011 [acesso 22 Mar 2013];10(1):112-21. Disponível em: http://www4.uninove.br/ojs/index.php/saude/
article/viewFile/2523/1903. DOI: http://dx.doi.org/10.5585/conscientiaesaude/2011/v10n1/2523.
10. Tavares AA, Freitas LM, Silva FCM, Sampaio RF. (Re)Organização do cotidiano de indivíduos com doenças crônicas
a partir da estratégia de grupo. Cad Ter Ocup UFSCar. 2012 [acesso 17 Mar 2013];20(1):95-105. Disponível em: http://
www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/553. DOI: http://dx.doi.org/10.4322/
cto.2012.011.
11. Santos LM, Ros MA, Crepaldi MA, Ramos LR. Grupos de promoção à saúde no desenvolvimento da autonomia,
condições de vida e saúde. Rev Saúde Pública. 2006 [acesso 18 Mar 2013];40(2):346-52. Disponível em: http://www.
scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102006000200024. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0034-
89102006000200024.
12. Schneider M, Larkin MO, Schneider D. Manual de autocura: método self-healing. São Paulo: Triom; 1998.
13. Toldrá RC. Terapia Ocupacional e o Método Self-Healing: criando novas possibilidades de viver o corpo. In: Pádua
EMM, Magalhães LV, organizadoras. Casos, memórias e vivências em terapia ocupacional. 2a ed. Campinas (SP): Papirus;
2005.
14. Schneider M. Movimento para a autocura. São Paulo: Editora Cultrix; 2005.
15. Ratey JJ. O cérebro – um guia para o usuário: como aumentar a saúde, a agilidade e a longevidade de nossos cérebros
através das mais recentes descobertas científicas. Rio de Janeiro: Objetiva; 2002.
16. Almeida MHM, Spínola AWP, Iwamizu PS, Okura RIS, Barroso LP, Lima ACP. Confiabilidade do instrumento para classificação
de idosos quanto à capacidade para o autocuidado. Rev Saúde Pública. 2008 [acesso 31 Mar 2013];42(2):317-23. Disponível
em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-89102008005000003&script=sci_arttext. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/
s0034-89102008005000003.
17. Ciconelli RM, Ferraz MB, Santos W. Tradução para a língua portuguesa e validação do questionário genérico de avaliação
de qualidade de vida SF-36 (Brasil SF-36). Rev Bras Reumatol. 1998 [acesso 17 Abr 2013];39(3):143-50. Disponível
em: http://www.nutrociencia.com.br/upload_files/artigos_download/qulalidade.pdf.
18. Tavares DMS, Pereira GA, Iwamoto HH, Miranzzi SSC, Rodrigues LR, Machado ARM. Incapacidade funcional entre
idosos residentes em um município do interior de Minas Gerais. Rev Texto Contexto Enferm. 2007 [acesso 5 Maio
2013];16(1):32-9. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072007000100004.
DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-07072007000100004.
168
O Mundo da Saúde, São Paulo – 2014;38(2):159-168
Promoção da saúde e da qualidade de vida com idosos por meio de práticas corporais
19. Figueiredo W. Assistência à saúde dos homens: um desafio para os serviços de atenção primária. Ciên Saúde Colet.
2005 [acesso 20 Maio 2013];10(1):105-9. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid
=S1413-81232005000100017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s1413-81232005000100017.
20. Rosa TEC, Benício MHD, Latorre MRDO, Ramos LR. Fatores determinantes da capacidade funcional entre idosos.
Rev Saúde Pública. 2003 [acesso 28 Jan 2013];37(1):40-8. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-
-89102003000100008&script=sci_arttext. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102003000100008.
21. Brasil. As cartas da promoção de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2002. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.
br/bvs/publicacoes/cartas_promocao.pdf.
22. Gallo LH, Gobbi S, Gonçalves R, Jambassi Filho JC, Prado AKG, Ceccato M, Gurjão ALD, Gobbi LTB. Alongamento
no Programa de Atividade Física para Terceira Idade (PROFIT): promovendo a melhora da capacidade funcional em
idosas. Rev Ter Ocup USP. 2012 [acesso 15 Dez 2012];23(1):1-6. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rto/article/
view/46900. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v23i1p1-6.
23. Vidmar MF, Potulski AP, Sachetti A, Silveira MM, Wibelinger LM. Atividade física e qualidade de vida em idosos. Saúde
Pesquisa. 2011 [acesso 2 Fev 2013];4(3):417-24. Disponível em: http://www.cesumar.br/pesquisa/periodicos/index.php/
saudpesq/article/view/1714.
24. De Carlo MMRP, Luzo MCM. Terapia Ocupacional – Reabilitação Física e Contextos hospitalares. São Paulo: Roca;
2004.
25. Oliveira LC, Pivoto EA, Vianna PCP. Análise dos resultados de qualidade de vida em idosos praticantes de dança
sênior através do SF-36. Acta Fisiátrica. 2009 [acesso 1 Jun 2013];16(3). Disponível em: http://www.actafisiatrica.org.br/
detalhe_artigo.asp?id=97#.
26. Saito CM, Castro ED. Práticas corporais como potência da vida. Cad Ter Ocup UFSCar. 2011 [acesso 3 Mar
2013];19(2):177-88. Disponível em: http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/
view/460.
Recebido em: 4 de julho de 2013.
Versão atualizada em: 30 de janeiro de 2014.
Aprovado em: 27 de fevereiro de 2014.